Mordida Cruzada pode indiciar stress precoce no inicio da vida – Estudo

Mordida Cruzada pode indiciar stress precoce no inicio da vida – Estudo

Pesquisa de medicina dentária realizada pela University of Washington descobre um novo marcados de instabilidade no desenvolvimento.

A pesquisa confirmou repetidamente que os primeiros 1.000 dias após a conceção influenciam fortemente a expectativa de vida e a suscetibilidade de uma pessoa às doenças crónicas. O marcador primário utilizado para identificar o stress precoce é o baixo peso ao nascer, o que pode, por exemplo, indicar má nutrição da mãe durante a gravidez.
Mas o baixo peso ao nascer é um marcador válido apenas até o nascimento, cerca de 280 dias – muito aquém de uma medida útil para os primeiros mil dias de vida.
Uma nova pesquisa realizada na Universidade de Washington sugere que uma face inferior assimétrica é um marcador inovador que também captura o stress precoce da vida que ocorrem após o nascimento.
Segundo Philippe Hujoel, um dos autores e professor da UW School of Dentistry, as assimetrias no crânio e nos dentes têm sido usadas por décadas por antropólogos para marcar o stress ambiental, mas raramente têm sido usadas em populações vivas. Essas assimetrias de face inferior podem ser avaliadas observando a mordida dentária nos dentes permanentes – um exame que pode ser concluído em segundos verificando a existência de uma mordida torta ou assimétrica em que os dentes mordem para trás ou para a frente de um lado do rosto e de maneira normal do outro lado.

Mordida Cruzada As assimetrias de mordedura para trás, a assimetria de face inferior mais comum na população dos EUA, variaram aleatoriamente entre os lados esquerdo e direito da face. Essa aleatoriedade é uma evidência do stress no início da vida, os dentes tortos, são diferentes de uma mordida assimétrica. O estudo descobriu que um em cada quatro adolescentes dos EUA tinham as assimetrias de face inferior.
As assimetrias de face inferior eram comuns numa geração que se tornou tipificada por uma epidemia de diabetes e obesidade na idade adulta.
Pesquisas adicionais são necessárias para identificar se as assimetrias de face inferior são preditivas de doenças crónicas em populações vivas, da mesma forma que as assimetrias de crânio têm sido associadas com doenças degenerativas em populações há muito desaparecidas.

 

Fontes: O JornalDentistry em 2017-4-24

Artigo completo: “Lower face asymmetry as a marker for developmental instability”.

Autores: Philippe P. Hujoel, Erin E. Masterson, A-M Bollen